1x1.trans - PERNAMBUCO VOTA EM LULA  E HADDAD E REJEITA BOLSONARO
Jornal GGN – O nível de rejeição contra o candidato da extrema-direita Jair Bolsonaro (PSL) chama a atenção no estado de Pernambuco tanto quanto as intenções de votos dos habitantes a Fernando Haddad, mesmo distante de conhecer a gestão do ex-prefeito de São Paulo, quando apoiado por Lula.
Foi o que mostrou a pesquisa da Datamétrica, dirigida por Analice Amazonas, na região. “Fernando Haddad, que tem somente 2% das intenções estimuladas de voto, salta para 16% quando apresentado como candidato ‘com apoio de Lula’, e vence todos os adversários, nas estimuladas de primeiro e segundo turnos”, foi a conclusão da pesquisadora.
O levantamento que foi feito em julho deste ano também ressalta a grande rejeição dos pernambucanos a Bolsonaro: é o candidato com maior quantidade de eleitores (55%) que não votariam de jeito nenhum nele. Depois dele, a pesquisa mostrava Collor (42%), que não está mais na disputa à Presidência.
E também com grande nível de rejeição, em julho, 36% dos eleitores afirmaram que não votariam no tucano Geraldo Alckmin. 
Se o ex-presidente Lula atrai posições extremas por todo o país, com favoráveis e contra, em Pernambuco, o ex-presidente é o que tem menos índice de rejeição, 12%. E em segundo lugar, Fernando Haddad, com 25%.
Mas os pernambucanos já sabem: se Lula for impedido de participar das eleições este ano, grande parte de seus eleitores irá migrar para o hoje confirmado vice, Haddad. 
E a capacidade de transferência de votos no Estado surpreende, não somente porque a sua capita, Recife, está a mais de 2.700 quilômetros de distância de onde Haddad governou, a capital paulista. Mas também porque aumenta em 14 pontos percentuaisi os votantes em Pernambuco do ex-prefeito para presidir o país.
“A pesquisa feita talvez supere a expectativa da maioria daqueles que acompanham as tendências eleitorais”, manifestou Analice Amazonas, a sócia-diretora da Datamétrica Pesquisa e Consultoria Econômica, ao Diário de Pernambuco.
“Embora se soubesse que Lula é um nome de peso elevadíssimo no estado, além dele despontar em primeiro lugar nas simulações de primeiro e segundo turnos que supõem seu nome na disputa, ele demonstra uma capacidade de transferência de votos de dimensões espantosas”, completou.
Para ela, essa capacidade muito forte de transferência de votos por Lula é algo “sem precedentes”. “O protagonismo de Lula nestas eleições, estando ele dentro ou fora da prisão, será provavelmente sem precedentes. A rejeição baixíssima dele, a menor dentre todas as registradas na pesquisa, a aposta dos eleitores de que ele será candidato, a disposição de votar no candidato que ele apoiar, tudo isso sinaliza que a oposição ao candidato do PT, aqui em Pernambuco, terá dificuldade em emplacar um nome que supere essa força”, resumiu.
Não à toa, na outra ponta, o candidato que lidera o placar de rejeição, Jair Bolsonaro teve no mês passado apenas 10% das intenções de votos no Estado, e Lula mantinha 59%, ainda que quase um terço dos entrevistados (28%) já achassem que o ex-presidente não poderá disputar as eleições.