1x1.trans - ALBERTO CARLOS ALMEIDA: PARA O ELEITORADO, MORO E TEMER ESTÃO JUNTOS

Segundo o dado divulgado periodicamente pelo Estado de S. Paulo relativo à pesquisa Estadão-Ipsos, a desaprovação de Sergio Moro vem caminhando junto com a de Michel Temer.

O gráfico mostra na escala do eixo vertical esquerdo o percentual para Moro, e no eixo vertical direito os valores para Temer.

É possível notar que de outubro de 2015 a outubro de 2016 a desaprovação de ambos caiu.

No meio das duas datas há o impeachment de Dilma: quando Sergio Moro teve um papel crucial ao divulgar as conversas entre Dilma e Lula, e Temer se tornou o principal beneficiário da saída do PT do Palácio do Planalto ao assumir a presidência da república.

A partir de outubro de 2016, a desaprovação de Michel Temer aumentou de forma meteórica até junho de 2017, desde então, tendo alcançado o patamar de 85% de rejeição, ela tem permanecido estável.

No caso de Moro sua desaprovação também aumentou no mesmo período, ainda que de forma bem menos acentuada do que a de Temer.

Porém, o que se destaca é o crescimento de sua rejeição a partir de junho de 2017, quando estava no patamar de 20%, até a última pesquisa em junho de 2018 quando sua rejeição atingiu 40%.

A evolução da rejeição de Temer e Sergio Moro sugere que os seus destinos, ao menos no que diz respeito às suas imagens junto ao eleitorado, estão umbilicalmente ligados.

Durante o ano de 2017 as principais aparições de Sergio Moro na mídia nacional tiveram relação com os depoimentos de Lula a ele, assim como a condenação do petista.

Para o eleitorado, consequentemente, Moro é o principal responsável pela prisão de Lula. Ocorre que Lula é visto pelo eleitorado como o opositor por excelência do Governo Temer.

As visões desenvolvidas e cultivadas pelos eleitores são bastante simples e estão de acordo com o seguinte raciocínio:

1. Lula é o político mais importante do PT;

2. o PT foi retirado da presidência por meio do impeachment;

3. Temer se tornou o presidente, portanto, Lula se tornou o principal líder da oposição;

4. Sergio Moro condenou e decretou a prisão de Lula e, como não poderia faltar;

5. o Governo temer é muito mal avaliado em função da crise econômica.

O resultado final disso tudo é que a imagem de Sergio Moro, evidentemente politizada, o que parece não ser bom para o judiciário, está fortemente associada ao Governo Temer e dissociada de Lula.

Moro é responsável indireto pelo impeachment e responsável direto pela prisão de Lula, isto é, ele colocou no poder um governo impopular e retirou de cena aquele que representa a mudança.

A entrada de Sergio Moro na cena pública remonta ao seu memorável artigo acerca da operação mãos limpas no qual ele defende a utilização da mídia, e consequentemente da opinião pública, como recurso para pressionar o judiciário a tomar decisões que levem à condenação de líderes políticos.

Mais recentemente, Moro admitiu, também publicamente, que se equivocou ao solicitar de maneira açodada que José Dirceu, do PT, passasse a utilizar tornozeleira eletrônica.

O juiz não havia sido notificado oficialmente, mas sim teve ciência da soltura de Dirceu pela mídia.

Dito isto, ao considerar o comportamento pretérito e presente de Moro, é possível afirmar que ele tenderá a manter sua imagem associada ao Governo Temer, que termina daqui a seis meses.

O destino da imagem de Moro a partir de janeiro dependerá do resultado das eleições.

*Alberto Carlos Almeida é cientista político, autor do best-seller “A cabeça do Brasileiro” e diversos outros livros. Escreve semanalmente para o Poder360.