Ricardo Stuckert

Produção Afinsophia

Os golpistas quando derrubaram a presidente Dilma Rousseff eleita com mais de 54 milhões de votos prometiam o paraíso para os brasileiros. Uma ponte levaria os levaria ao futuro. Como o futuro de gente que não é vanguarda é a eterna repetição do velho, do conservador, da inércia, da superstição, Temer e o pessoal da Lava Jato, na pessoa do seu juiz parcial Moro, estão, já a algum tempo a ver que este Maio de 2018 está se movendo para aprontar mais uma.

Claro, que este maio de 2018 não é como aquele Maio de 1968 nas ruas de Paris. E nem temos, nestes idos, apesar de muitos estudantes terem tido acesso às faculdades e Universidades nos governos populares de Lula e Dilma aquela subjetividade de revolta que moveu a estudantada parisiense. Lá, parecia que tudo estava tranquilo, mas não estava. Os estudantes se incomodaram com o que o sistema educacional apresentava. Na Universidade de Nanterre eles resolveram se manifestar. Manifestar contra a violência da guerra do Vietnã, por exemplo. Se manifestar contra o conservadorismo da sociedade capitalista dominada já pelos Estados Unidos. Se manifestar contra as leis trabalhistas que já escravizavam a classe trabalhadora. E os estudantes foram ganhando adeptos, foi se espalhando e depois não teve mais quem segurasse a turma do é proibido proibir.

No Brasil dos golpistas temos tudo para uma grande reação popular. Só que passada a ditadura convivemos com a democracia que parecia duradoura. Lula ganhou duas eleições, fez ótimo governo. Dilma ganhou duas eleições, fez um primeiro mandato muito bom, mas no segundo, os golpistas inviabilizaram a continuidade do mesmo derrubando-a. 

Não percebemos que os golpistas do Norte planejaram e derrubaram governos em Honduras e no Paraguai. Como não era conosco, só os democratas questionaram e defenderam Lugo e o presidente de Honduras que foi até sequestrado. Depois, fomos nós que enfrentamos duro golpe de Estado.

Os que na época levantavam bandeira contra a Dilma, queimavam bandeiras do PT, hoje, estão vendo que o chicote que bate em Chico bate em Francisco também. Só que o papa é diferente, ele bate também. Carteiros e caminhoneiros foram duas categorias raivosas contra Dilma. Fizeram manifestações, ajudaram derrubar a presidente. Ainda hoje, tem caminhoneiro ressentido contra o governo popular de Lula e Dilma.

A greve dos caminhoneiros deve ser analisada de várias formas. São os caminhoneiros mesmo que estão por trás da greve. Não são os empresários, presidentes de Associação, aqueles que querem manter monopólios que estão promovendo essas paralisações?

Uma coisa é certa, o desabastecimento de combustível já atinge várias cidades, assim como o abastecimento de alimentos. Aeroportos e ônibus deixarão de circular em São Paulo e noutras capitais. Voos são cancelados e alguém vai ter que apagar a última luz do aeroporto.

Os responsáveis por tudo isso chamam-se golpistas: Michel Temer e todos seus dublês de ministros, Rede Globo de Televisão, Folha de São Paulo, Estadão, Uol, Revista Veja, Época, Isto é, Tv Bandeirantes e correlatas, Lava Jato, Sérgio Moro, Dallagnol, STF, TRF-4, e o presidente da Petrobras, Raimundo Parente, que numa administração desastrosa, num desgoverno fará os golpistas cairem, todos e darão oportunidade para que, com muita dificuldade, nosso país volte à democracia e retomada do desenvolvimento com a eleição do mais querido e popular, o maior presidente que o Brasil já teve, Luis Inácio Lula da Silva.