Boletim 66 – Comitê Popular em Defesa de Lula e da Democracia
Direto de Curitiba

1. Chico César cantou pela liberdade de Lula, conduzindo o final da tarde de domingo (6) com muita música e somando sua voz à da resistência dos que seguem em vigília na esquina democrática Olga Benário. Ao lado de Lívia Mattos e Rafael dos Santos, o cantor se apresentou por cerca de duas horas para centenas de pessoas vindas de diversas caravanas e de famílias de Curitiba que aproveitaram o show para conhecer a vigília.

2. A Mostra de Cinema pela Democracia, que exibiu filmes brasileiros em Curitiba somando à Vigília Lula Livre, termina hoje à noite com a exibição dos filmes “Chico”, dos Irmãos Carvalho, e “Joaquim”, de Marcelo Gomes, com a presença do ator Júlio Machado. No total, foram 13 filmes a longo de seis dias de exibição em um telão inflável que viajou desde o Acre, provocando importantes debates e reflexões sobre a conjuntura atual do país.

3. “Esse país só vai ser consertado por alguém que não tenha complexo de vira-lata e alguém que goste desse país e pense numa palavra chamada soberania. É preciso a gente acreditar e fazer”, afirma o ex-presidente Lula em vídeo inédito divulgado neste domingo. “Esse país não pode pensar pequeno. E eu penso grande. O Brasil pode ser ainda nesse século uma grande nação.”


4. Recebida por estudantes e artistas, a presidenta legitimamente eleita Dilma Rousseff denunciou mais uma vez a prisão política do ex-presidente Lula na Queen Mary University of London. “Não é uma bravata ou uma petulância. Lula é inocente e é o nosso candidato à Presidência da República”, disse, arrancando aplausos da plateia.

5. A Pedreira Paulo Leminski tornou-se espontaneamente um polo de resistência pela liberdade de Lula neste sábado (5), durante a segunda edição do Festival Coolritiba. “Lula livre”, “Marielle vive”, “Fora, Temer” se misturaram às letras da banda BaianaSystem. Os pernambucanos do Nação Zumbi, Mano Brown, Emicida e Francisco, El Hombre também puxaram o coro que é marca da vigília. 

6. A 3ª Feira Nacional da Reforma Agrária bateu recorde de público no Parque da Água Branca, em São Paulo, reunindo 260 mil pessoas. Ao todo, foram 420 toneladas de produtos comercializados por 1.215 feirantes assentados e acampados, colocando em evidência a cultura popular e o diálogo com a sociedade sobre a necessidade de outro modelo de alimentação, a partir da produção camponesa de alimentos saudáveis.

Comitê Popular em Defesa de Lula e da Democracia
Boletim 66