PREFEITO AMAZONINO PROMETEU AUMENTO AOS PROFESSORES E ELES,”ANALFABETOS POLÍTICOS”, APLAUDIRAM. FORAM RECEBER, CADÊ A PROMESSA?

Era a noite de 04 de novembro de 2011. Salão de não-festas do Stúdio 5 completamente lotada de professores. Professores de todas as Zonas,  que chamam distritais. Alguns com saúde outros nem tanto, mas todos estavam lá, pois era uma noite na qual seriam sorteados pelo prefeito cassado, da princesinha do norte,  15 carros, 30 motos e  muitas passagens aéreas.

Lá pelas tantas, acompanhado de seus  “lambis,” desponta no Stúdio, ele, o não-prefeito. Foi aplaudido. Discursou, falou da importância do professor e lá pelas tantas,  empolgado, mas temendo as vaias que recebeu no Novo Israel  ao lado de Lula e por ocasião da inauguração da ponte da ilusão ao lado de Dilma Rousself,   simulou uma assinatura reajustando em  10% o salário de todos os professores que estivessem em sala de aula e aposentadoria a partir daquela data com todos os ganhos integrais.  A galera foi ao delírio. Aplausos e mais aplausos. Os olhos dos professores amestrados cintilavam em cifrões. O reajuste já viria no próximo pagamento.

Dia 28 de novembro. Caneta e papel na mão todos calculavam. Só não calculavam o que este blog havia produzido dois dias antes do evento. Na ocasião dizíamos que professor que se prezasse não iria a um encontro de maus encontros. Não iria a um encontro aplaudir uma pessoa  não  grata à Educação.

Mas foram. Empolgaram-se. O prefeito cassado assinou na frente de milhares de professores o reajuste. Só que no dia 28 de novembro constatou-se o que um afinado professor havia na sua não ilusão profetizado: que não iria  à não-festa e que só acreditaria no tal reajuste quando estivesse no seu contra-cheque. Não deu outra. O prefeito cassado da não cidade de Manaus marionetizou os professores änalfabetos políticos”.

O reajuste não saiu e pra complicar a vida destes, a reunião com representantes da categoria, eleitos para reformularem o plano de cargos,  carreira e salários nunca mais se reuniu o que comprova, segundo professores mais céticos, que aquilo ali era só uma jogada de marketing – eleitoreira, “uma armação, para enganar professor.”

A PRIMAVERA DO MUTIRÃO

Professor que aplaude um algoz merece o salário que ganha, porque, diferente de outros funcionários da Prefeitura, como os advogados da SMTU legislando em causa própria conseguiram estabelecer para si um salário inicial acima dos R$ 4.000,00 e o teto máximo de R$ 7.000,00 aprovado pelo não -prefeito e publicado no último Diário Oficial do Município do dia 02.12.2011. E aí uma fonte daquela Superintendência nos informa: salário bom pra não ganhar nem uma causa para a repartição.

Enquanto professores ganham salários pífios e advogados sem causa legislam em causa própria, crianças, pais e responsáveis são irresponsavelmente penalizados no bairro Mutirão por conta da irresponsabilidade do não-prefeito e do não-Secretário Municipal de Educação que não agilizaram em tempo a reforma e ampliação da Escola Municipal de Ensino Fundamental  Jarlece da Conceição Zaranza que desde Janeiro de 2011 ainda não foi concluída. Mas mesmo assim, numa noite dessas passadas, fecharam a rua Ramos D, em frente à escola e distribuíram muita cerveja e o som foi tocado em altos decibéis.

Só que cansados do não funcionamento da escola, pais e comunitários decidiram se mobilizar e na próxima segunda feira, dia 05 de dezembro de 2011, a partir das 8 horas, realizarão uma mega  manifestação pública, que vem sendo chamada de “a Primavera do Mutirão”, em frente à escola,  para cobrar do poder público que a escola seja inaugurada para atender às crianças que estão estudando em locais de péssima qualidade, enquanto a reforma e ampliação  caminham a passos lesmais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *