INTERVENTOR VAI TOMAR POSSE NA FUNDAÇÃO MEDICINA TROPICAL ATÉ A INDICAÇÃO DA NOVA DIRETORIA

Por força de uma ação pedida ao Ministério Público (MP) pela candidata ao cargo de diretora da Fundação Medicina Tropical, Dra. Graça Alecrim, que viu falhas no processo de escolha dos candidatos com base no novo estatuto modificado na gestão do então diretor da instituição, Sinésio Talhari, a escolha do novo diretor pelo governador do estado está sub judice.

De acordo com o entendimento da Dra. Graça Alecrim, os itens apresentados pela diretoria atual, para servirem de parâmetros para contar pontos na seleção dos candidatos, fere a livre concorrência, e exorbita a isonomia dos proponentes ao concurso.

Como o diretor atual da instituição, Sinésio Talhari, pleiteia continuar no cargo, portanto apresenta-se, também, como candidato, o tempo de sua gestão terminou hoje, dia 31. Assim ele, e todo seu corpo administrativo, mais os funcionários indicados, deixam seus cargos nessa data.

Diante do impasse jurídico, foi designado para ocupar o cargo de diretor da instituição, com função de interventor, a partir do dia 3 de janeiro, o médico Marcos Guerra, funcionário da fundação, e ex-professor da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), cuja atuação ocorrerá durante três meses, prazo em que se espera que tudo tenha sido definido e o novo diretor escolhido.

Enquanto isso, o ambiente no interior da Fundação Medicina Tropical é de visível disputa direcional, envolvendo quase todos os funcionários, sendo que a maioria se mostra pró candidata Dra. Graça Alecrim. Para seus adeptos, a direção atual não administrou o órgão com o sentido democrático que exige toda instituição pública. A inter-relação e a infra-relação com os agentes públicos da instituição se traduziram em incômoda distância. O que impediu a realização de uma coerente administração, visto que o espírito público desapareceu diante da posição hierarquizante exacerbada da direção em relação aos funcionários. O que chega até a refletir no desempenha do exercício médico/científico/humano, o fundamento da existência da instituição: paciente/terapia/cura. A gestão de Sinésio Talhali, segundo funcionários, se resumiu ao significante técnico representado em ostensiva propaganda arquitetônica. Alterações na estrutura física da instituição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *