Eu vou fugir
Eu vou capitão do mato

Minhas mãos tão calejadas
Minha alma está cansada
Já não aguento esse lugar
O Quilombo dos Palmares
Ajude a me curar

Eu vou fugir
Eu vou capitão do mato

Sem mim não tinha riqueza
Conheci fome e tristeza
E o chicote a me espancar
Vou prá perto de Zumbi
Ele está a me esperar

foto
Em seu segundo ano de atividade retomada, o Grupo de Capoeira Raízes, sob o comando do famoso mestre Espiga, reuniu-se no Ginásio Zezão, na zona Leste de Manaus, no sábado passado (4), para seu 2º Batizado e Troca de Cordas.

Formado por diversos núcleos, havia capoeiristas do grupo Manaus e outros municípios, além de mestres e outras graduações de vários outros grupos, como: Ginga de Ouro, Legião Brasileira, Senzala Negra, Guerreiros na Selva, Marabaiana, Capoeira Brasil, Capoeira Nagô, entre outros.

foto
1x1.trans - 2º BATIZADO DO GRUPO DE CAPOEIRA RAÍZESPara entrar na comunhão com o Grupo Raízes, antes de formar a roda para a capoeira foi formada a roda para uma apresentação de hip-hop de uma garotada que faz um trabalho fundamental de integração e inclusão educacional durante a semana também no ginásio.
E a moçada da capoeira também curte o hip-hop e também acompanhou na roda a batida que também é uma manifestação de origem negra.
Os b-bys e b-girls fizeram no final fizeram demonstrações individuais de uma batalha de b-boys, da qual participaram muitos capoeiristas.
foto

1x1.trans - 2º BATIZADO DO GRUPO DE CAPOEIRA RAÍZES 1x1.trans - 2º BATIZADO DO GRUPO DE CAPOEIRA RAÍZES

Depois do hip-hop, a roda só fez aumentar e entrou imediatamente o belo som do berimbau, animando o tradicional jogo da benguela e da regional, envolvendo crianças e pessoas de todas as idades, sem distinção de qualquer espécie. Cada um recebia uma corda nova, que havia se desenvolvido, jogava com os demais.

foto

Que navio é esse
que chegou agora
é o navio negreiro
com os escravos de Angola
acorrentados no porão do navio
muitos morreram de banzo e de frio

foto
Enquanto a roda se desenvolvia, conversamos pelo responsável por esse maravilhoso trabalho, o lendário Mestre Espiga, que passou seus entendimentos da capoeira, como faz toda a semana no Zezão.
foto
1x1.trans - 2º BATIZADO DO GRUPO DE CAPOEIRA RAÍZES“Este é o batizado geral unificado do grupo, no qual vêm pessoas não só daqui de Manaus, mas também de outros municípios, como Parintins, Barreirinha, Boa Vista do Ramos. Então a gente centraliza aqui no Zezão em Manaus, e vem muitos convidados, muitos amigos, mestres, que vem prestar o seu apoio e também observar um trabalho que tem resgatado jovens, que tem mostrado um outro lado da vida, um trabalho que diz não à violência. Esse ano nós tivemos muitas surpresas, o grupo cresceu mais, o nível cresceu mais, em quantidade e qualidade.
foto1x1.trans - 2º BATIZADO DO GRUPO DE CAPOEIRA RAÍZES 1x1.trans - 2º BATIZADO DO GRUPO DE CAPOEIRA RAÍZES
foto

A capoeira foi criada no tempo da escravidão como luta de libertação. Hoje a capoeira continua sendo uma luta de libertação, mas não como era antigamente. Libertação de quê? Dos vícios, da marginalidade, a capoeira é um elemento de resgate. A capoeira tem essa força maravilhosa de unir as pessoas. Inclusive hoje a capoeira ajuda a difundir nossa própria língua no exterior. Uma das condições no exterior é que o aluno só é graduado se ele falar português, a conhecer a cultura brasileira. Então a capoeira cria uma integração entre as nações.”

foto
1x1.trans - 2º BATIZADO DO GRUPO DE CAPOEIRA RAÍZES 1x1.trans - 2º BATIZADO DO GRUPO DE CAPOEIRA RAÍZES
foto

Sou Raízes livres de coração
Sou Raízes livres com malícia e tradição
Yá-Yá me deu de presente uma guia
Pra me livrar de mau olhado e magia