O Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (Unifem) divulgou nota repudiando os atos de violências praticados contra mulheres que, além de causarem grande danos físicos, psicológicos e morais, também as transformam em vítimas fatais.

Rebecca Reichmann, representante no Brasil do Unifem, falando sobre os dois casos de violência contra a advogada Mércia Nakashima, que foi assassinada em Guarulhos, município de São Paulo, e o caso da ex-namorada do goleiro do Flamengo, Bruno, desaparecida há mais de um mês, afirmou que as investigações policiais mostram “tramas cruéis da violência contra a mulher, sucessivas violações de direitos de decisão e autonomia das mulheres que culminam com o feminicídio”.

Citando outros casos, a nota apresenta o caso da jornalista Márcia Pache, que foi agredida pelo vereador do DEM do município de Pontes e Lacerda, no Mato Grosso, Lourivaldo Rodrigues de Moraes. “Nem mesmo no exercício profissional, como no caso da jornalista Márcia Pache, que foi agredida fisicamente durante uma entrevista, as mulheres estão imunes a práticas violentas”.

A nota, que ressalta a importância da denúncia de toda violência contra a mulher, finaliza afirmando: “Por fim, manifestamos pesar à memória daquelas mulheres que, infelizmente, são assassinadas por atos criminosos de violência”.

2 thoughts on “UNIFEM DIVULGA NOTA DE REPÚDIO À VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES

  1. Contradição! Apoiar a prostituição não é espécie de violência contra as mulheres?

    Cordialmente, Milton Coradi.

  2. Coradi,
    não é apoiar a prostituição. É saber que o fenômeno existe como aparecimento real e, a partir daí, agir para diminuir violentações sem preconceito e exclusões. Ou seja, pode ser a mulher dona de casa, a mulher operária, a prostituta, a professora, a jornalista, a mendiga, a médiga, todas tem direitos garantidos pela Constituição e pela Declaração Universal.
    Abraços afinados!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *