ADAIL ESTÁ SOLTO! TE SEGURA,COARI!

Ontem à noite o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, que em meados do ano havia dado nada menos que três habeas corpus que blindaram o ex-prefeito de Coari, Adail Pinheiro, para que pudesse ficar calado, quiçá até usando walkman, na CPI da Pedofilia, agora mandou mais um, providencialmente antes do réveillon, suspendendo os efeitos da ordem de prisão preventiva de Adail.

Investigado em 2008 pela Polícia Federal na Operação Vorax, juntamente com toda a cúpula de sua administração municipal por desvio de verbas, fraudes licitatórias, formação de quadrilha, por fomentar grupos de extermínio, pedofilia e prostituição infantil, dentre outros crimes, tido como intocável pelas ramificações palacianas, Adail teve, a 14 de setembro de 2009, a prisão preventiva decretada pela juíza Ana Paula Braga, da 2ª Vara da Comarca de Coari, por ele ter se mudado do município sem comunicar a Justiça.

No habeas corpus deferido, Gilmar Mendes ordenou ainda “urgência, ao Juízo de Direito da 2ª Vara da Comarca de Coari, ao Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas e ao Superior Tribunal de Justiça, para que seja o paciente posto em liberdade, caso por outro motivo não esteja preso”.

Conhecido como o homem dos habeas corpus que tanto favoreceram o megaempresário Daniel Dantas, Gilmar Mendes não fugiu à regra, já que Adail é uma espécie de DD amazoniquim.

2 thoughts on “ADAIL ESTÁ SOLTO! TE SEGURA,COARI!

    1. Quando o senado nao rem moral,a justiçao nao prevalece,ou prevalece a justiça qundo o senado e imoral,ou prevalece a vontade do poder paralelo,ou prevalece,a vontade do capitalismo selvagem,que independentemente de qualquer poder dita as regras no mundo todo,no Brasil nao precisa mais ser tao milionario para estar acobertado pelos capitaliostas basta estar do lado deles.Entao de ves en quando poderemos ver algum milionario ser preso,mas nao pelo crime que cometeu sim pela posiçao que tomou,sendo asim a democracia sempre sera uma corda banba e viva o circo e os trapezistas,en nome da democracia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *