PARABÉNS DO FUNCIONÁRIO PÚBLICO

Talvez existam duas formas de parabéns. Uma, como homenagem-reconhecimento de alguém para outra. Aniversário, um feito, conquista, realização, sempre um tributo reconhecedor. Homenagem que coloca ambos no círculo da dependência. O que homenageia precisa se mostrar capaz de compreender o outro naquilo que ele imagina de si. O homenageado precisa se sentir reconhecido como merecedor. Um acordo tácito chantagista. Outra, como confirmação de alguém por si mesmo como produtora do necessário para outro alguém. É nessa forma que se mostra a potência ontológica do parabéns do funcionário público.

PARABÉNS – Palavra-ação composta por dois termos: para, do grego, “ao lado”, “próximo”, e bens, do latim, “valores”. Em proximidade com os bens, sem se confundir com eles, mas envolvido, para poder entregá-los como valores em cumplicidade. Exaltação.

FUNCIONÁRIO – Composta por dois termos: função, “atividade”, e ário, do latim, “ofício”, “acervo”. Funcionário, aquele que age movido pelos elementos produtivos que carrega em seu acervo profissional.

PÚBLICO – Do latim, o que é de todos. De todos, por ser por si e para si.

O AUTO-PARABÉNS FUNCIONÁRIO PÚBLICO

A atuação social comprometida como público faz o funcionário ser ele mesmo produtor de seus parabéns. Isso por sua ação como funcionário não se restringir exclusivamente ao órgão em que está lotado. Sua ação se desdobra em todos territórios em que se encontra, o que faz tomar-se como necessário à funcionalidade pública de sua cidade como Imanência Democrática. É assim que, confiante em seu talento criador-coletivo, não se submete a ordens arbitrárias de seus superiores, e nem toma atitudes prepotentes contra aqueles que procuram seus serviços. Por isso, é um servidor, e não um ser vil. Não precisa que um chefe lhe renda homenagem, pois sua festa encontra-se em se sentir responsável pelos órgãos do Estado cujas existências são dependentes dos direitos dos cidadãos. Foram criados, mantidos e modificados, quando necessários, com o único fim de satisfazer as necessidades sociais de todos.

Talento, confiança, graça e virtude, são seus princípios gerais que carrega como funcionário público, fatores imprescindíveis à satisfação da coletividade e de sua alegria. Princípios propulsores de seu engajamento social. O seu parabéns. Sua práxis trabalhista, que nem sempre tem boa acolhida salarial. Daí que de vez em quando tem que recorrer às reivindicações profissionais, amparado em sua confiança e seu talento produtivo, para melhorar sua condição econômica e não ser devorado pela ganância da mais-valia estadual. Ato que participa sem medo e sem ressentimento, pois é movido mais pela razão que pelos impulsos; estes últimos, ponto fraco do trabalhador alienado, pelos quais o patrão age para neutralizar seus direitos trabalhistas.

Escritor e ator de seu próprio texto e performance, não teme as trocas de governantes. Não calcula ganhos e perdas. Não reivindica chefia. Apenas mantém sua atitude de constante parabenizado. Não teme as perseguições funcionais promovidas pelos subalternos e lambaios dos governantes. Sabe que o que dá sentido à estrada é o caminhante; por tal, não permite ser interceptado em seu movimento.

Da aposentadoria, não faz dela um fim desesperado a ser alcançado. Não a espera para poder realizar o que não podia quando envolvido que estava em suas tarefas profissionais. Sempre fora feliz. A aposentadoria é apenas a conseqüência do direito trabalhista por tempo de serviço. Nenhum paraíso como imaginam aqueles que sabotaram suas existências e a vêem como a realização de um sonho. Em verdade, o ócio improdutivo. Para ele, o ócio produtivo como fundamento de outro modo de ser na mocidade ou na velhice. A suavidade de outras auroras.

Por isso, como contínuo trabalhador, isso tudo não passa de Parabéns do Funcionário Público.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *